15 de abril de 2017

Coreia do Norte: Trump 'estuda opções' e Kim Jong-Un 'mostra sua força'

Governo americano avalia especulações sobre atividade nuclear no país coreano que deve ocorrer no sábado
O governo americano estuda suas "opções militares" a respeito do programa nuclear da Coreia do Norte, segundo confirmou nesta sexta-feira um conselheiro de política exterior da Casa Branca, assinalando que não é uma questão de se haverá mais testes, mas quando haverá.
Os Estados Unidos estão avaliando como enfrentar esta ameaça, coincidindo com as crescentes especulações sobre a possibilidade de que Pyongyang realize um teste no sábado, afirmou a fonte."Já estão estudando as opções militares", afirmou sob anonimato. "Com este governo não é uma questões de se ocorrerá, mas sim quando".
Nas últimas horas apareceram informações sobre uma atividade nuclear na Coreia do Norte marcada visando o sábado, dia em que será comemorado o 105º aniversário do fundador do país, Kim Il-sung. "Telegrafaram há pouco, não é nenhuma surpresa porque o aniversário é no sábado, tradicionalmente (o líder norte-coreano Kim Jong-un) organiza um grande desfile e leva suas armas e armas de imitação", apontou o conselheiro. "Infelizmente não é uma surpresa para nós, (Kim) continua desenvolvendo seu programa, continua lançando mísseis para o Mar do Japão. Com o regime não é uma questão de se ocorrerá, mas sim quando".
O presidente Donald Trump já adiantou que seu governo se encarregará do "problema" que a Coreia do Norte supõe.

Mais complicado
Estas revelações são feitas logo após o Exército americano lançar na quinta-feira "a mãe de todas as bombas", seu artefato não nuclear mais potente, contra um complexo do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no Afeganistão.
Trump também mostrou seu poderio militar na semana passada bombardeando com mísseis uma base aérea do governo sírio, a quem acusou de ter executado o suposto ataque químico em uma cidade rebelde, que deixou quase 100 mortos.
Além disso, o mandatário ordenou o envio de um porta-aviões e de sua frota para a península coreana. Trump sempre disse que impedirá que Pyongyang obtenha mísseis balísticos com capacidade nuclear, que poderiam alcançar o território americano.
Quando se reuniu com Barack Obama pouco depois de vencer as presidenciais, foi advertido de que possivelmente teria que tomar uma decisão complicada sobre este tema no início de seu mandato. Com consequência, Trump pediu a seus conselheiros um leque de opções para enfrentar o programa nuclear norte-coreano. Mas a Casa Branca sabe que atacar a Coreia do Norte é "muito mais complicado" do que atacar a Síria, segundo palavras de outra fonte oficial.
Qualquer bombardeio contra Pyongyang poderá desencadear represálias contra aliados de Washington ou forças americanas enviadas para a Coreia do Sul e o Japão. Entretanto, a administração Trump tem boas opções diplomáticas e econômicas para gerir este tema. Pyongyang já sofre com várias sanções impostas pelas Nações Unidas por seus programas nuclear e balístico.

Desafios de segurança
Em uma entrevista ao jornal The Wall Street Journal, Trump explicou que seu homólogo chinês Xi Jinping retirou de sua cabeça a ideia de que Pequim irá forçar a Coreia do Norte a mudar de rumo. "Depois de ouvir durante 10 minutos, me dei conta de que não é tão fácil", reconheceu. "Me dei conta de que (Pequim) tem muito poder" sobre a Coreia do Norte, "mas não da forma que alguém possa imaginar", assegurou.
Trump mandará no sábado seu vice-presidente, Mike Pence, à Ásia para visitar seus aliados. Pence irá para Coreia do Sul, Japão, Indonésia e Austrália. Em todas as reuniões, Pyongyang dominará sua agenda. Excetuando-se a Indonésia, os Estados Unidos têm um tratado que lhe obriga a defender estes países, uma obrigação já questionada pelo presidente.
Mike Pence tentará convencer seus aliados de que este compromisso é "invulnerável", de acordo com o conselheiro da Casa Branca. "Estamos totalmente comprometidos com nossas alianças de segurança, especialmente diante dos desafios de nossa segurança mutável, como a ameaça nuclear que a Coreia do Norte supõe", explicou.

Coreia do Norte mostra força militar em desfile pelos 105 anos de fundador
Kim Jong-Un também envia mensagem desafiadora aos EUA, Japão e Coreia do Sul
Kim Jong-Un também envia mensagem desafiadora aos EUA, Japão e Coreia do Sul | Foto: Yeon Je-Jung / AFP / CP

As forças militares da Coreia do Norte se reuniram em Pyongyang, na manhã deste sábado (horário local) para exibir sua força ao líder Kim Jong-un, enquanto a tensão aumenta por sua ambição nuclear. Centenas de caminhões cheios de soldados, e outros levando bombas, percorreram as margens do rio Taedong antes do amanhecer para um desfile na capital.
O evento irá comemorar o 105º aniversário do avô de Kim, o fundador da Coreia do Norte, Kim Il-sung, uma data conhecida como o "Dia do Sol" na República Popular Democrática da Coreia. Entretanto, a celebração também tem a intenção de enviar uma mensagem a Washington, Seul, Tóquio e outras capitais sobre o poderio militar da Coreia do Norte. 
Pyongyang enfrenta inúmeras sanções da ONU por conta de seus programas de mísseis atômicos e balísticos, e tem a ambição de construir um foguete capaz de atingir o território norte-americano - algo que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu que "não acontecerá". Já foram realizados cinco testes nucleares - dois deles no ano passado - e vários lançamentos de mísseis, um dos quais fez com que três foguetes caíssem em águas próximas ao Japão no mês passado.
Especulações sobre uma sexta explosão nos próximos dias, coincidindo com o aniversário, atingiram seu ponto máximo quando um especialista do site americano 38North disse que o teste Punggye-ri estava "pronto". Nesse contexto,funcionários da Casa Branca afirmaram que as opções militares "estavam sendo avaliadas". Trump já enviou o porta-aviões USS Carl Vinson e um grupo militar para acompanhar de perto a península coreana.
A China, o maior aliado do país, e a Rússia pediram moderação, mas o ministro das Relações Exteriores de Pequim, Wang Yi, advertiu nesta sexta-feira que "o conflito pode começar a qualquer momento".
CORREIO DO POVO/montedo.com

10 comentários:

Anônimo disse...

Já passou da hora de bombardear esse gordinho.

Anônimo disse...

Um baixinho enlouquecido, se achando um deus, fica dizendo que vai lançar um míssil nuclear sobre os americanos, Coréia do Sul e/ou Japão e acha que vai ficar por isso mesmo? Isso não é uma ameça, quase uma declaração de guerra? Será que ele acha que a China e Russia vão apoiá-lo nessa loucura? O presidente norte-coreano disse que os americanos estão com "histeria militar", e ele, o que é? Tudo pode acontecer nessa loucura desenfreada por mostrar poderio militar. Que nos preparemos para escolhermos o lado certo.

SAUDAÇÕES TRICOLORES disse...

enquanto isso, em pindorama...

o E.B.-Brasileiro preocupado com
fogo amigo vindo sob a pecha de reforma!

Anônimo disse...

Se os EUA atacar ou interferir na CN,será o inicio de uma grande confusão política-econômica-financeira e principalmente militar naquela região que talvez acabe se estendendo para todo o mundo. A península coreana (90.000km² mais ou menos) com certeza será incendiada
Não entendo! A CN não interfere em nenhum país, não faz terrorismo, não financia e nem arma terroristas para atacar outros povos, não ameaça e nem incomoda ninguém no mundo, não questiona decisões soberanas de outros países, não tenta impor suas agendas políticas e econômicas à ninguém, não interfere na autodeterminação de nenhuma nação..... seu povo vive em paz! Porquê então estão pressionando aquele povo e ameaçando-o de ataque e até mesmo extermínio nuclear? Será porque é um povo e governo que se recusa à ser subserviente à outras nações? Será que é porque se recusam a seguir às “diretrizes” de poderes estranhos à terra e ao povo deles? A imprensa-empresa do ocidente esconde e mente mas, a CN se desenvolve em ritmo acelerado e na calada. Em silêncio constroem grandes cidades, fabricam eletro-eletrônicos e etc que nem nós que vivemos nessa pseudo- democracia; que estamos e seguimos debaixo do chicote ou da sola da bota de interesses alienígenas à nossa pátria e ao nosso povo conseguimos fazer. Não fabricamos absolutamente nada que contenha alta tecnologia. Só prestamos para “absorver” essa tecnologia pronta. Aliás, prestamos sim....prestamos para fornecer o aço que depois importamos em forma de carros, aviões, navios, máquinas e assim, infelizmente, é com tudo....só “exportamos” “commodities”. A CN é também o quintal da China que por sua vez também está tentando viver em paz, fazendo negócios, enriquecendo, tirando milhões de chineses da pobreza absoluta, avançando economicamente interna e externamente, sem uso de força militar nem ameaças a nenhum país do mundo, sabendo que praticamente já é a maior potência econômica do planeta e em menos de quinze anos será também a maior potência militar do globo. Por essas razões a China não tem nenhum interesse em guerras longe e muito menos nas suas fronteiras. Mas tudo pode mudar! É quase certo, caso haja agressão militar dos EUA, que a China jamais permitirá que a CN seja destruída e ocupada por ele e seus aliados da OTAN, Japão e outros. Jamais os Chineses aceitarão bases militares desses países em suas fronteiras ao sul. Quanto a CN, caso sofra algum ataque, naturalmente irá contra- atacar. E estão alertando quanto à isso! Parece claro que não hesitarão. Não fizeram nada contra ninguém. Apenas se defenderão! Como não dispõem de capacidade para atacar o território continental dos EUA, ainda, atacarão seus aliados na região como o Japão, a Coréia do Sul, talvez a Austrália e bases estadunidenses na região. Mas o problema é que os ataques poderão ser ou serão com armas nucleares como resposta ao ataque ou ataques que sofrerão dos EUA e seus aliados; logicamente os grandes responsáveis pela catástrofe nuclear que poderá se seguir.
Continua!

Anônimo disse...

Continuação.....

Se houver revide nuclear dos EUA e seus aliados, é quase certo que a China e a Rússia serão envolvidos. Ou será que ficarão assistindo de braços cruzados as “trocas” nucleares entre CN e EUA e seus aliados nas suas proximidades, vendo milhões de pessoas sendo mortas, milhões de desabrigados e desesperados, tentando entrar em seus países além de também ficarem assistindo seus céus, terras, rios, florestas e etc sendo contaminados por nuvens radioativas?
Nenhum país do mundo, inclusive os EUA, ousaram atacar outro país que tenha alguma capacidade nuclear, mesmo que pequena. Seria ou será uma cartada arriscada! Síria: Os EUA atacaram a Síria com alguns mísseis (mais de cem milhões de dólares), mataram dez pessoas, destruíram umas “carcaças” de aeronaves que estavam por lá jogadas, algum dano em alguns abrigos e mais nada! Até hoje não atacaram com “botas no chão” o exército Sírio e seus aliados do Irã e Hezbollah. Será que sabem que se meterão num atoleiro? Talvez! Admiro e respeito os EUA, seu modo de vida, sua cultura, seu respeito pelos direitos civis, pelos direitos dos animais, pela proteção a natureza, a sua ciência, seu desenvolvimento mas às vezes não concordo com sua política. Levam civilidade e humanidade sim, à vários lugares do mundo onde ainda imperam as trevas, a selvageria, a brutalidade.... mas também leva muitas vezes a guerra para impor suas agendas políticas-econômicas! Deus ilumine a cabeça dos homens que detém o poder neste mundo!

Anônimo disse...

Que Deus ilumine sua cabeça também, anônimo! Está parecendo morcego.

Melo disse...

Anonimo de 15 de abril de 2017 20:55 pq ele parece morcego? Pq fez uma análise critica dos acontecimentos? pq provavelmente pensou em coisas que vc simplesmente ignorava? Estamos sim vivendo um período crítico e é importante evitar o pensamento simplista. Pesquisar, analisar, pensar nas ações e consequências para que não sejamos apenas gado indo pro abate. Excepcional comentário e apensar de concordar com vc espero que o bom senso ainda prevaleça.

Anônimo disse...

Tudo uma grande mentira! É claro que o líder norte-coreano é menos perigoso que TRUMP (donald tripa) para o mundo. Nunca se soube que a COREIA DO NORTE passa o tempo, ameaçando ou invadindo paises, bombardeando, derrubano governos, incitando e fomentando guerras em todo planeta só para alimentar a sua industria de armas. Os "caras" só querem viver em paz...só isso! Mas estão "avisando" que não aceitarão ingerências de ninguém por lá....só isso!

Anônimo disse...

Até que enfim uma mente pensante comentando nesse blogs...

Anônimo disse...

Anônimos 15 de abril de 2017 15:34, 16 de abril de 2017 08:46, 16 de abril de 2017 09:52 e 16 de abril de 2017 11:20, tudo a mesma figura se passando por várias pessoas. Que tese "furada"!

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics