6 de junho de 2017

55% dos militares se aposentam com menos de 50 anos, segundo o TCU


Levantamento do TCU sobre as Forças Armadas mostra ainda que 7% se retiram antes dos 45 anos; Defesa estuda ‘reestruturar’ carreira
Resultado de imagem para militares
Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo
O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou que 55% dos militares das Forças Armadas se aposentam entre os 45 anos e os 50 anos de idade. O número revela grande disparidade com o INSS e até mesmo com o regime de servidores públicos civis da União, em que as concessões de aposentadoria se concentram entre 55 e 65 anos.
Embora a necessidade de tratamento diferenciado aos militares seja reconhecida por especialistas, pela natureza da atividade, críticos apontam problemas, como a contabilização de tempo fictício (que não foi efetivamente trabalhado) e o pagamento de benefício integral, uma distorção em relação a países como os EUA, que preveem valores proporcionais.
Os dados integram um levantamento sigiloso ainda em curso e foram apresentados à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Previdência do Senado Federal com autorização do relator, ministro José Mucio Monteiro Filho. A auditoria ainda não foi referendada pelo plenário da corte de contas. Por esse motivo, o TCU informou que nenhum porta-voz poderia detalhar os dados.
Os militares (incluindo os estaduais) são a única categoria que ficou de fora da reforma da Previdência em tramitação no Congresso. O governo diz que o assunto será endereçado por projeto de lei complementar, por não ser tema constitucional. Técnicos do governo se dedicam à construção da proposta, mas o Estadão/Broadcast apurou que os trabalhos estão parados à espera da aprovação da reforma pelo menos em primeiro turno na Câmara. O Ministério da Defesa informou que os estudos para a reestruturação da carreira estão “progredindo”, mas admitiu que não há previsão de data para enviar o texto.

Idade menor
A apresentação do TCU à CPI no Senado mostra que outros 33% dos militares da União se aposentam entre 50 e 55 anos. Há ainda um grupo de cerca de 7% que se aposentam antes dos 45 anos. Apenas 5% dos militares migram para a inatividade com 55 anos ou mais. Enquanto isso, no INSS, a faixa etária mais comum na data de concessão da aposentadoria é a de 60 a 65 anos (34%). Já no regime próprio dos servidores civis federais, a maior parte (32%) ocorre entre 55 e 60 anos. O levantamento usou dados de 2016 e inclui os benefícios concedidos por invalidez.

ENTENDA AS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Embora os números impressionem, tanto o Ministério da Defesa quanto especialistas argumentam que os militares precisam de fato ter regras diferenciadas de aposentadoria. A distorção está no pagamento de benefício em valor integral independentemente da idade, bem como na contagem de períodos fictícios como tempo de contribuição, ressalta o consultor de Orçamento da Câmara Leonardo Rolim, que já foi secretário de Políticas de Previdência Social.
“Para quem trabalha em postos de fronteira, por exemplo, cada um ano de serviço gera quatro meses adicionais na contagem de tempo de contribuição. Os 30 anos que se colocam (como tempo mínimo de contribuição) têm tempo fictício junto”, diz Rolim. Outro problema, segundo o consultor, são os limites de idade para determinados postos, alguns deles inferiores a 50 anos – se o militar não é promovido até lá, é colocado na reserva compulsoriamente.

VOLTA DE TRIBUTAÇÃO SOBRE LUCROS E DIVIDENDOS GERARIA R$ 60 BILHÕES
Durante a apresentação dos dados à CPI no Senado, o secretário de controle externo da Previdência, do Trabalho e da Assistência Social do TCU, Fábio Granja, observou a necessidade de alterar as regras dos regimes de servidores civis e militares, até porque o gasto per capita nesses casos é muito superior ao verificado no INSS.
Em 2016, cada beneficiário servidor civil ou militar custou cerca de R$ 100 mil aos cofres públicos. Essa despesa no regime geral é de R$ 17,4 mil. O rombo nas aposentadorias e pensões dos militares também é crescente e chegou a R$ 34,07 bilhões em 2016.
ESTADÃO/montedo.com

71 comentários:

Anônimo disse...

Gostaria que esses especialistas analisassem as seguintes questões na comparação do INSS, no caso em tela:
- algum funcionário do INSS começa a trabalhar com 18 anos?
- algum funcionário do INSS sabe o que é tirar serviço por 30 anos? Onde cada serviço são 3 dias da vida comprometidos - 1 se preparando, 1 tirando o serviço propriamente dito e 1 se recuperando? Com certeza eles não sabem, pois trabalham a vida inteira em regime de meio expediente.
- algum funcionário do INSS já imaginou que ele não pode comprar sua casa própria, pois não sabe onde vai morar ano que vem?
- algum funcionário do INSS precisou levar esposa(o) e filhos ao psicólogo para tratamento por terem se afastado completamente da família e amigos tendo que ir morar em lugares inóspitos e isolados?
- algum funcionário do INSS precisou manter seu vigor físico por 30 anos correndo diariamente e realizando marchas com mochila destruindo seus joelhos e coluna vertebral?
- algum funcionário do INSS já correu risco de morte em função do seu exercício profissional?
Então senhores, me desculpem, mas querer igualar o inigualável não tem o menor cabimento.
Ahh, e antes que eu me esqueça, muito se fala em X anos de contribuição. O militar, mesmo na reserva, contribui até o último dia de sua vida, estando na ativa ou na reserva.
E já que é pra "igualar", ok, vou começar a ter direito então:
- FGTS
- Hora-extra
- Jornada semanal de 40 h
- Adicional de periculosidade, e por aí vai.

Teodorico Mello disse...

Este pessoal que tanto fala que trabalhadores, militares dão altos gastos a previdência, imagina os Deputados, Senadores, Prefeitos, Governadores, Juízes, Chefes dos Tribunais de Contas com altos salários, esses não dão gastos à previdência. É só verificar os salários e benefícios de quem quer fazer a reforma.

Teodorico Mello disse...

O nosso problema é quem quer fazer a reforma são as pessoas que tem os salários mais altos, possuem muitos benefícios e a maioria já está aposentado, daí querem que os outros se ferrem, dando a desculpa que está em déficit na previdência, sendo que empresas e bancos devem milhões e ninguém cobra, mas quer que o povo pague por esses sonegadores.

Anônimo disse...

Eles não se referem à idade em que os militares entram para as escolas preparatórias.
Esse tipo de texto significa fumo de Arapiraca, em pó, desnatado,gaseificado enfim, tudo isso na milicada em geral, a tal melhoria nos soldos nem pensar.

Anônimo disse...

Informação que soa como uma pá de cal.

Junior disse...

Concordo com o companheiro.Todos que foram para reserva remunerada amparados pela legislação em vigor.

Anônimo disse...

"A auditoria ainda não foi referendada pelo plenário da corte de contas." (e nem será porque falou só besteira).


E daí? Esse pessoal é idiota ou se faz de bobo?

Militares não se aposentam, passam para a reserva remunerada, estando sujeitos a convocações, bem como podem ser sancionados disciplinarmente na inatividade. Isso não ocorre com os trabalhadores da iniciativa privada ou servidores públicos civis.

Ainda que se queira comparar a aposentadoria com a reserva remunerada, os militares, diferente dos demais trabalhadores, não estão sujeitos a uma carga horário de trabalho de 8 horas diárias e 44 horas semanais e nem recebem hora-extra.

Além disso, a atividade militar exige vigor físico.

Se querem comparar, que comparem em todos os aspectos.

SAUDAÇÕES TRICOLORES disse...

KKKKKKKKKK

onde vamos parar com essa fake news ????

todos os meus parentes concursados entraram no serviço
público ganhando menos que eu e, dez anos depois,
todos -TODOS- ganham mais que eu...
isso sem tirarem serviço de escala e sem necessidade
de botar a carcaça pra rolo.

Anônimo disse...

Ja esta na hora de sair ja deu o que tinha que dar. st velho sem motivação para continuar.brasil acima de tudo.

Marco Aurélio Lanzetti Ayres Júnior disse...

A reportagem não levou em consideração que a maioria esmagadora dos oficiais incorporaram com menos de 18 anos. Quando entrei na EsPCEx, em minha turma (250 integrantes) não havia ninguém com 18 anos ou mais.
Acredito que os servidores civis entram no serviço público com mais de 20 anos de idade.

Anônimo disse...

Vão comparar o que. O QE que fica 30 anos tirando sv???. Vão se enchergar. Falem menos besteira por favor.....

Anônimo disse...

Falta de ação dos chefes dá nisso.

Anônimo disse...

Quanta besteira falada por quem não entende nada, são aspones que não sabem o que é estar numa fronteira, não sabe o que é tirar 24hs de serviço armado;

Até na questão de tributar dividendos falam besteira. Os dividendos já são tributados na empresa que é obrigada a recolher o IR

Lamentável estarmos nas mãos dessas pessoas.

Anônimo disse...

Simples assim é só diminuir a idade minima de aposentadoria do INSS, eles aposentam as pessoas quase na hora de morrer, e querem fazer a mesma coisa com os militares. Porque ficam brigando assim em vez de melhorar para todos eles querem piorar para todos, Alguém tem que pagar o rombo da Previdência ou seria o rombo da robalheira.

daniel camilo disse...

A reforma da Previdência dos civis pelo jeito vai fracassar, já a nossa! Não é possível que os Generais não conseguem se comunicar abertamente demonstrando a diferença gritante entre o trabalho dos civis e o dos militares! Qual civil trabalha em um dia inteiro e no outro está de serviço(trabalha de dia e de noite) e quando amanhece continua no quartel para continuar o trabalho, sem descanso? E ainda acham aposentar cedo demais? Talvez, dependendo da especialidade escolhida, alguns militares aposentam jovens mas a maioria já está no bagaço, com 50 anos de idade. O militar que se acha jovem para aposentar pode pedir para continuar a trabalhar sem receber à mais.

Anônimo disse...

Análise sem sentido, o próprio governo é quem obriga os militares irem para reserva "ex officio", e ainda colocam a culpa neles. Pelo Estatuto dos militares, nenhum praça por dos 56 anos de idade, no caso de soldados já são obrigados a irem para a reserva aos 44 anos de idade.

Sem contar a quota compulsória onde os militares podem ir para a reserva mais cedo ainda.

A pesquisa deveria trazer as idades para reserva conforme o posto e graduação.

Não podemos esquecer que para a reforma não tem idade ou tempo de serviço.



LEI Nº 6.880, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1980.
Art. 98. A transferência para a reserva remunerada, ex officio , verificar-se-á sempre que o militar incidir em um dos seguintes casos:
Postos

Idades

Capitão-de-Mar-e-Guerra e Coronel,....

62 anos

Capitão-de-Fragata e Tenente-Coronel......

60 anos

Capitão-de-Corveta e Major.....

58 anos

Capitão-Tenente e Capitão.....

56 anos

Primeiro Tenente......

56 anos

Segundo-Tenente......56 anos

Graduação
Idades

Suboficial e Subtenente ,.....
54 anos

Primeiro-Sargento e Taifeiro-Mor....
52 anos

Segundo-Sargento e Taifeiro-de-Primeira-Classe ......
50 anos


Terceiro-Sargento,......
49 anos

Cabo e Taifeiro-de-Segunda-Classe......
48 anos

Marinheiro, Soldado e Soldado-de-Primeira-Classe ......
44 anos

IV - ultrapassar o oficial 5 (cinco) anos de permanência no último posto da hierarquia de paz de seu Corpo, Quadro, Arma ou Serviço; para o Capitão-de-Mar-e-Guerra ou Coronel esse prazo será acrescido de 4 (quatro) anos se, ao completar os primeiros 5 (cinco) anos no posto, já possuir o curso exigido para a promoção ao primeiro posto de oficial-general, ou nele estiver matriculado e vier a concluí-lo com aproveitamento;

V - for o oficial abrangido pela quota compulsória;

VI - for a praça abrangida pela quota compulsória, na forma regulada em decreto, para cada Força Singular

Anônimo disse...

Colocar nas estatísticas, friamente, sem especificar os motivos, como se os militares que servem nas fronteiras e locais isolados da amazônia estão burlando as leis, e generalizando, é leviano. Esses "estudiosos" de gabinetes acham que os militares vão passar férias em locais "paradisíacos" com a família. Eles, possivelmente, defendem os policiais porque convivem nas cidades e dependem deles para conseguirem ter um mínimo de segurança no meio de tanta violência.Desconhecem completamente a situação real e os motivos dessas localidades "especiais" contarem com alguma "vantagem" na contagem para a reserva do militar. Se a Lei foi criada é porque existiam e, ainda existem, motivos que justificam. Mudar a Lei só para tapar buraco de previdência mal administrada não é solução. Será que os civis concordam em continuarem a contribuir após a aposentadoria? Esse novo "plano" vai salvar a previdência? Não. E mais uma vez, os militares são colocados como culpados pelos "podres" do governo e vão sofrer as consequências e continuarão sendo escravos do Brasil.

Anônimo disse...

Por que o TCU não emite um relatório Assim:

100% dos militares trabalham depois do expediente sem poder reclamar;

100% dos militares não têm direito a hora-extra;

100% dos militares vão para a reserva sem direito a FGTS;

100% dos militares não têm direito a adicional noturno;

100% dos militares não podem reclamar por não terem esses direitos.

Com a palavra, o ministro da defesa e os respectivos comandantes.

Anônimo disse...

Falam que os militares se aposenta com menos de 50 anos mas não levam em conta que um militar vai para campo fica duas semanas fora longe de seus filhos e esposa tiara serviço 24 horas fora de sua casa e seu descanso isto ai ninguém vê la, Quem esta falando isto trabalho 8 horas por dia fica todas os noite com seus filhos dorme tranquilo na sua casa e quer ter mesmo direito!!!

Anônimo disse...

Não tiro a razão desta notícia, aqui na OM pelo menos 05 majores pediram aposentadoria antecipada e hoje recebem um BOM salário e a maioria deles com no máximo 40 anos de idade. Esse tipo de situação realmente tem que ser revisto, já os praças não tem essa boquinha.

Anônimo disse...

Pega esses sujeitos que falam isso e mandem eles para as fronteiras por seis meses, fazendo o que os militares. Quando voltarem, se voltarem com saúde, talvez tenham alguma ideia do que é ser militar das Forças Armadas. Ficar em uma sala com ar condicionado, atrás de uma mesa, vendo pela TV os pepinos, as obras intermináveis,os socorros prestados, os enfrentamentos com narcotraficantes e guerrilheiros e depois dizer ou dar a entender que os militares tem "vantagens"? É ser irresponsável ou deve ser alguém que ainda tem amargura dos militares por não ter conseguido derrotá-los na guerrilha. Virou rotina, virou mania. Quando não conseguem o que querem, mudam as leis e os regulamentos, geralmente para prejudicar uma classe. Querer cumprir as Leis vigentes e realizar uma administração correta para não ter dinheiro desviado, nem pensar.

Anônimo disse...

Perceberam que a reforma da previdência social, e a reforma dos demais servidores público está caindo pro terra e a única que ainda estão tocando é a nossa. EU JÁ VI ESSE FILME. Vai sobrar só pra milicada, os demais servidores fazem uma gritaria e se dão bem, PF esperneou e quando convém se compararam aos militares (mas só para fugir da reforma), equiparar o salários deles com os militares eles não querem, as policias militares estaduais, policias civis também estão fora, agentes penitenciários também estão fora,OU SEJA, A TROLHA SÓ SOBROU ADIVINHA PRA QUEMMM

Anônimo disse...

Perdemos tudo o que tínhamos, pela atuação dos brilhantes comandantes, e agora vamos perder novamente e ainda entrar na vala comum, sem hora extra, sem adicional noturno . . . Ou seja, FUMO para os Severinos.
Eu acho estranho que os relatórios do TCU não mostram que o milico não tem hora extra, adicional noturno, FGTS, 40 horas semanais. . .

QUE RELATÓRIO MAIS TENDÊNCIOSO SENHORES DO TCU. QUE VERGONHA.

Marcelo Carvalho disse...

Querem Forças Armadas de Primeiro Mundo custando menos do que milícia... Simples assim.

Anônimo disse...

Culpa da vampirada que volta para mamar na terrinha...ora se volta para trabalhar depois que completou o tempo da margem para ficar mais tempo na ativa...vão pra casa cuidar da família seus vampiros

Anônimo disse...

Bizú. Ensaca a mala e pega o beco. Não vejo a hora de ver meu nome na rela da SIP. Falta pouco.

Dino disse...

Para onde vai a contribuição quando o militar vai para a reserva? Ela não é computada pelo TCU? Por que contribuimos então? Essa informação errada causa indignação na tropa. Será que o objetivo é esse mesmo?

Dino disse...

Para onde vai a contribuição quando o militar vai para a reserva? Ela não é computada pelo TCU? Por que contribuimos então? Essa informação errada causa indignação na tropa. Será que o objetivo é esse mesmo?

Anônimo disse...

miguem fala nada sobre os desconto da pensão que pagamos a vida toda ou seja se o militar for para reserva com 48, 50, 60 ou 100 anos, não muda nada o desconto vai se o mesmo.

Celio Roberto Peres disse...

Sou militar e somente em 2016, tirei 52 serviços de escala. Considerando que um serviço de escala completo (desde a parada diária – às 07:00 – até a passagem do serviço no dia seguinte – às 09:00) tem uma duração média de 26 horas e que o “normal” são 8 horas de trabalho diário, isso dá 18 horas de trabalho extra ao dia de serviço. Em 1 ano, portanto, eu trabalhei 936 horas extras. Se considerar que 18 desses serviços foram tirados em finais de semana/feriados, nesses dias o serviço integral foi 100% fora do horário de expediente, o que dá um acréscimo de mais 144 horas, o que totalizaria 1.080 horas extras no ano. Isso só falando de serviço de escala. Não entrei no mérito de marchas, planos de chamada, dias acampados em exercícios de campo, além de dias eventuais em que saí depois do horário previsto. Ah, e ainda no âmbito dos serviços, seria interessante também remunerar-me com adicional de insalubridade (já que perdi preciosas e irrecuperáveis horas de sono) e de periculosidade também (haja vista o risco de trabalhar armado e em situações de manutenção da segurança). Sabem, estou começando a achar uma boa idéia igualar os militares e os civis não só nos deveres, mas nos DIREITOS também! Eu topo!!!!!!

Anônimo disse...

Pessoal presta atenção são sempre as mesmas que jogam contra a gente

Idiana Tomazzeli e Lisandra Paraguassu


Anônimo disse...

... o pagamento de benefício integral, uma distorção em relação a países como os EUA, ...

Esses “especialistas“ sempre comparando USA com “Terra Brasilis“. Simplesmente não tem comparação.

Anônimo disse...

Ia colocar meu comentário aqui indignado, mas não será necessário, pois o anônimo 6 de junho de 2017 09:43 já mostrou tudo que eu queria expor, e muito bem elaborado. Parabéns!!!

Anônimo disse...

Esse pessoal tem que saber que o militar já dei e muito sua contribuição ao país com a medida podre do FHC que destruiu todos os direitos das Forças Armadas.

Anônimo disse...

Esses ministros fingem não saber que civis, na maioria das vezes, ficam "na aba" dos pais ou dos avós até seus, pelo menos, 30 anos, para depois pensarem em um trabalho que não seja "pesado", principalmente hoje em dia. O militar de carreira normalmente, depois de se preparar nos estudos, ainda adolescente, entra muitas das vezes com 16 anos para uma escola militar onde já serve como aluno e soldado ao mesmo tempo, estudando e tirando escala de serviço normalmente. E, exatamente neste ponto (16 anos), começa a contar seu tempo de trabalho, sem interrupção, até sua reserva. Duvido que a maioria desses juízes tenha, efetivamente, trabalhado na carreira obrigatória o tempo de um militar. Se houver, dê a sua cara aqui!

Anônimo disse...

Comentarista anônimo número 1, quem disse que militar tem um dia para se recuperar do serviço tirado?
Olha só; Essa matéria é um grande fogo amigo !!!!

Anônimo disse...

Falam tanto em igualar os militares com os civis, por que não fazem o contrário? Tira FGTS, hora extra, etc e todo mundo se aposenta com 48 anos. E aí paisano, cê topa?

Anônimo disse...

Meu Pai foi mecânico de aviao e ele falava que muitas vezes lavava as mãos de graxa com óleo de aviao naquela época não tinha ninguém para orientar que o que ele estava fazendo no futuro seria prejudicial a sua saúde , pois quando ele estava doente a medica que estava fazendo o exame dele disse a ele sem nem ele informar a ela que era mecânico ela falou com ele o senhor foi mecânico de aviao não foi porque vários amigos dele com a mesma doença ja tinha passado por tratamento com ela é hoje querem colocar os militares para a previdência e um absurdo.

Anônimo disse...

Esse tal Leonardo Rolim consultor da Câmara, que vive criticando a previdência militar, ganha mais de R$31000 por mês. Gostaria que alguém me explicasse o que justifica um salário tão alto de um assessor parlamentar. Vai que é por isso que se preocupa com nossa previdência. Pra não perder essa mamata.

Anônimo disse...

Celio Roberto. Perfeito, concordo plenamente!

Anônimo disse...

O importante é que tiramos a Dilma e o PT do poder hahahahaha...

Antonio Carlos Figueiredo disse...

Concordo plenamente com vc companheiro, se querem salvar o Brasil comecem a mexer nas aposentadorias dos politicos que com 8 anos de mandato ja podem se aposentar,diminuam os ministerios, diminuam as gratificações e mordomias dos politicos, parem com a corrupção, com a roubalheira e usam o dinheiro dos impostos naquilo que o povo precisa e não nos bolsos desses políticos canalhas corruptos o que precisamos é de uma faxina geral no meio político,precisamos é de uma INTERVENCAOCONSTITUCIONALMILITARJA

Antonio Carlos Figueiredo disse...

Obrigado

Anônimo disse...

Realmente nos USA o militar se aposenta com 20 anos de serviço ganhando 50% do último provento. Há a possibilidade de se aposentar com 25 anos de serviço ganhando 75% do último salário. Só que lá um terceiro sargento ganha 6 mil dólares e um sub, 12 mil dólares. Então, não cabe a comparação feita tendenciosamente pela matéria.

Anônimo disse...

Esse tal Leonardo Rolim, consultor da Câmara, deve ser um péssimo profissional e ainda ganha um salário de 31000,00 por mês porque, aqui no Brasil, na política, os incompetentes ganham muito bem, principalmente por não trabalharem para tal, então, ele agora quer mostrar trabalho para seus chefes.

Paulo César (SO RR)

Anônimo disse...

Na realidade o que está subjacente à toda esta questão relativa ao sistema de proteção social das FFAA é pensar que instituições os nossos governantes querem. Pelo que vejo, eles querem acabar com as FFAA.

JADIR RIBEIRO disse...

Sou militar, tenho 30anos de serviço, fico sem problema mais 05 anos e só me pagar FGTS e insalubridade, referente a estes 30 anos, aí quero ver estes especialistas falarem alguma coisa

Anônimo disse...

Grandes coisas, 2 anos a menos. Passou a vida coçando

Anônimo disse...

Não se enganem, mas quem presta concurso para as forças armadas está, sobretudo, prestando um compromisso em defender a pátria com o sacrifício vida.LOGO, não há lamúrias sob quaisquer circunstâncias, nem mesmo no campo das compensações salariais. No entanto, não seria justo nessas alturas da jornada, sucatear ainda mais essa classe que já é tão sofrida. Por último, se há um descompasso estre os seguimentos ( civil e militar) esse deve ser solucionado a luz da constituição por meio de modulação de direitos e deveres dessas classes. É como vejo eminentes leitores.

Anônimo disse...

E o pior é que tudo isso não trouxe nada de útil para a sociedade.

Anônimo disse...

acho que uma questão a ser discutida por todos nós, é que há uma diferença enorme entre militares na ativa, a diferença entre oficiais e praças já é sabido por todos nós, mas existe também a diferença entre os quadros e serviços. Por exemplo, um sargento de saúde que serve numa capital e só pode trabalhar 6 horas diárias (COREN) não tem a necessidade de uma aposentadoria especial, assim como o oficial médico no mesmo hospital, que trabalha 4 dias na semana e mantém pelo menos mais dois empregos fora (direito a Day Off??). Isso sem falar nos Músicos (tocando um bumbo a vida toda?), Professores ... No pau da goiaba, penso que somente o praça que está na tropa (tropa mesmo, exclui as Cia Cmdo) mereceriam uma diferenciação no tempo para a reserva, no mais, tinham que estar todos no INSS.

Antenado. disse...

Pois é...quando entrei para a Força com dezesseis anos, ninguém disse que eu estava muito novo para pegar no fuzil, agora depois de 32 anos de servico, eu estou novo para me aposentar? E a minha adolescência e juventude? E o tempo puxando serviço no Natal, ano novo, semana Santa, carnaval, dias uteis e fim de semana, Enquanto os senhoress do INSS estavavam curtindo a vida? vão me devolver? Mudaram a história da cigarra e da formiga? As cigarras agora se dão bem, é?

Anônimo disse...

Os relatores da reforma da previdência se esquecem que o militar do quadro permanente, portanto de carreira, é apenas uma fração do efetivo total de cada força armada. Computando os desligamentos nos cursos de formação e evasões ao longo da carreira, dificilmente teremos 15.000 oficiais de carreira na ativa, o que por conseguinte, levaria anualmente a 500 em condições de solicitar a reserva. Há que se recordar que tanto os oficiais quanto as praças de carreira contribuem para a pensão militar, mas não usufruirão do benefício da reserva remunerada, pois após os 8 anos de serviço, ingressarão na reserva não remunerada. Dessa forma, percebe-se que o sistema de proteção social é por si só, sustentável, pois a maioria esmagadora do efetivo é composta por militares temporários que também contribuem.

Anônimo disse...

Quanto ao fato do militar se aposentar mais cedo, isso decorre de a carreira das armas se iniciar em muitos casos antes ou aos 18 anos. Sendo assim, nada mais justo ir para a reserva com 30 anos de serviço, tempo esse que o militar está sujeito aos serviços de escala, missões externas, apoio direto, distribuição de suprimento, missão de transporte, patrulha, faxinas, acampamentos, exercícios no terreno, etc

Anônimo disse...

Quero só ver os lobinhos saindo da EsSA tirando serviço de comandante da guarda durante 10 anos e serviço de adjunto por mais 20 anos kkkk. 10 anos de 3º Sgt e mais 20 como 2º e 1º Sgt kkkk quero ver a motivação dessa galera com escalas cada vez mais apertadas. Ou o EB acaba com algumas escalas ou o Sgt nem TFM vai conseguir fazer devido a escala ficar tão apertada. E ainda querem sacanear na previdência.... Vixe, estamos todos ferrados (praças)

A Araujo disse...

...E complemento ainda. Alguém do INSS após terminar o serviço de 24 horas ininterruptas já emendou nos serviços de rotina do expediente do dia seguinte, chegando a ficar mais de 36 horas trabalhando toda vez que tira serviço? Ou algum funcionário do INSS já pegou Malária por ter o dever de defender a pátria em qualquer lugar onde for designado? Ou já jurou defender a pátria com o sacrifício de sua própria vida? Algum funcionário do INSS salta de um avião várias e várias vezes com seu paraquedas ou fica durantes dias no meio da selva se alimentando de raízes, pesca ou caça, tendo que beber água de chuva, de rios ou de cipós para treinar sobrevivencia. Bom se algum funcionário do INSS trabalha num emprego com tantas regalias assim como as dos militares... Então realmente os militares tem que ter as mesmas regras dos funcionários do INSS que em muitos casos tem até mesmo o sacrifício de participar de incansáveis greves, das quais os militares não podem e não tem o direito de fazê-las...

Anônimo disse...

E para pensar, eu passei para a reserva com 47 anos, estava fazendo algumas coisas e resolvi estudar para concurso e entrei para a universidade federal como professor universitário. Isso só é possível porque passamos para a reserva ainda novo. E agora querem acabar com isso.

Anônimo disse...

"55% dos militares se aposentam com menos de 50 anos, segundo o TCU"

Mas como, se só se aposentam Oficiais de Sargentos de carreira?

Oficiais e Sargentos de carreira devem ser uns 20% do total das Forças armadas... Ou seja, o correto seriam 55% desse efetivo (de 20%) que se aposenta antes dos 50 anos.

Portanto, quem se aposenta antes dos 50 anos, seriam algo em torno de 10% do efetivo total das FFAA (isso errando pra mais).

Reportagem altamente tendenciosa.

Anônimo disse...

Tá bom... sem direito a nada comparado aos civis em benefícios e quanto aos malefícios, daí querem equiparações... assim a carreira militar vira escravidão de vez... me digam se já posso cautelar na Subtenência minha bola de ferro para prender à canela.

Anônimo disse...

Prezados, hoje no TCU, há mais militares do que qualquer outra classe. Eu ST velho, com a carcaça ralada, perdi a fibra e desisti de estudar para o Tribunal de Contas. Há, no TCU, dois ministros que já foram oficiais do EB, o André Luiz de Carvalho, ex capitão de AMAN.
Acho que devemos focar em termos direitos que o pessoal da iniciativa privada tem como FGTS etc.
Não adianta ficar falando que o militar tira serviço por trinta anos, uma vez por semana. Isso é mentira e o pessoal do TCU sabe...
Outro dia estava de bobeira num churrasco de sexta, meio expediente e fiz a conta num pedaço de papel de pão: O simples depósito de FGTS em nossa conta, mais o que é descontado para uma reserva com o limite de base do INSS, hoje em torno de R$ 5500,00, daria ao final de 35 anos algo em torno de R$ 250.000,00. (tomando por base um salário médio de R$7.000,00
Eis a conta: 35 anos x 12 meses mais 35 13º salários igual a R$ 254,800,00.

Por militar....
Não dá para falar de funcionários civis, pois são iguais a nós, as leis são semelhantes: Não possuem horas extras, FGTS e etc...

Acho que devemos querer é que, já que nos querem iguais à iniciativa privada...
Desculpem a opinião.

Anônimo disse...

Putz, tempo "fictício" ????

Meu Deus, oq estou fazendo em Tabatinga até agora ???




Sgt Resenha

Anônimo disse...

Anônimos 6 de junho de 2017 20:04 e 6 de junho de 2017 20:09, que, para mim, são o mesmo, entenda uma coisinha: "QUEM MANDOU VOCÊ FICAR SOLTANDO PIPA ENQUANTO EU ESTUDAVA?"

STen Pedro disse...

"""Críticos apontam problemas, como a contabilização de tempo fictício e o pagamento de benefício integral, uma distorção em relação a países como os EUA, que preveem valores proporcionais.""""

Simples se estão comparando com os EUA, quero salários iguais aos dos militares americanos e aposentar com o mesmo tempo de serviço deles.

Anônimo disse...

eu me aposentei com 42 anos.

ass: 2º sgt QE que serviu a vida toda em cat A

Anônimo disse...

Tem militares no Eixo Amazonico 70 dias sem ver a familia. Vc acha que eu com meus 49 anos vou querer ficar nisso...vc acha que isso é coçar ??? A carreira inicial dos tribunais paga 11.000 e pata o militar 3.500 faça me o favor !!!!

Anônimo disse...

Subtenente-master somente para quem possui nível superior, idioma estrangeiro, e CHQAO (claro) kkk

Edilson De Oliveira Rett disse...

Se querem isonomia, quero meu FGTS!!!!!

Anônimo disse...

vou averbar meus 6 anos de fronteira antes que a lei mude, fica a dica ...
ESA 2003

Anônimo disse...

Poderiam deixar os 2º Sgt fazerem o CHQAO kkkk

Anônimo disse...

Com a palavra os futuros candidatos a serem PTTC kkk

Dino disse...

Quem disse que o militar para de contribuir? Passando para 35 anos de serviço, não vai precisar mais recolher quando passar para reserva? Acho que seria uma solução, se todos do RGP seguissem contribuindo, mesmo quando aposentados. Pelo menos custearia parte dos gastos com saúde e algumas cositas mais que todos querem de graća. A propósito, os militares pagam seus planos de saúde e mais 20% dos seus gastos. Porém, se tivessem que seguir contribuindo, seria considerado atitude impopular e o governo perderia todo seu eleitorado. Palhaçada.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics