7 de junho de 2017

O último suspiro de Rommel

Antes de morrer acusado de conspirar contra Hitler, Rommel atuou na reorganização das defesas do eixo na costa ocidental da Europa.
Tiago Cordeiro
Depois dos duelos travados na África, Erwin Rommel e Bernard Montgomery voltaram a se encontrar em junho de 1944, na Normandia. Mais uma vez, o inglês, comandante responsável pela operação em terra após o desembarque, saiu-se melhor. Responsável por organizar a mal construída defesa militar na faixa de litoral que compreendia da Dinamarca até a costa da Espanha, Rommel não teve tempo nem recursos suficientes para garantir a retaliação às Forças aliadas. Além disso, o marechal e seu comandante não se entenderam a respeito da melhor estratégia a ser adotada. O debate confundiu Hitler e provocou uma confusão que limitou ainda mais o poder de reação do Eixo.

Desde março de 1942, o responsável pelas defesas no front ocidental era o marechal-de-campo Karl von Rundstedt. Naquele mês, Hitler estabeleceu uma estratégia para rechaçar qualquer ataque: fortes deveriam ser construídos em todos os setores costeiros que permitissem desembarques. Caso um deles fosse vazado pelos aliados, tropas localizadas em áreas próximas à costa deveriam estar de prontidão para contra-atacar. Em primeiro de maio de 1943, a Alemanha deveria ter 300 mil homens guardando 15 mil bases de concreto.
Acontece que Rundstedt contava com apenas 60 divisões para defender 5,4 mil quilômetros de costa – e esses homens, em grande parte, eram soldados debilitados por outros confrontos, principalmente no front russo, e até por prisioneiros de guerra. Havia, portanto, uma divisão para cada 90 quilômetros, quando Rundstedt dizia que, num plano ideal, ele deveria contar com uma para cada 5 quilômetros. Em 1944, na França, o Eixo contava com soldados de 26 diferentes nacionalidades. A confusão era grande. Quando assumiu a função de inspecionar e melhorar esta linha de defesa, sob o comando de Rundstedt, em novembro de 1943, Rommel ficou inconformado com o que viu e começou uma corrida contra o tempo para minimizar os furos da longa barreira alemã.
O general estabeleceu um plano para criar um sistema complexo de obstáculos nas praias, que impedisse a passagem de barcos de fundo chato. Também queria lançar ao mar 50 milhões de minas e transformar as praias em grandes áreas de campos minados.

Faltou cimento
Mas os recursos não vieram. Só em uma das frentes, na costa francesa, Rommel recebeu 10 mil dos 10 milhões de minas que requisitou. No final de maio de 1944, a maior parte dos pontos fortificados estava desprotegida. Faltou cimento para terminar muitas delas.
Mas o maior problema na organização da defesa do Eixo era outro. Consciente da superioridade aérea aliada, que fora decisiva em sua derrota na África, Rommel queria repelir os adversários na praia, ou se possível ainda no mar. Seu superior, por sua vez, pretendia concentrar suas forças em locais bem posicionados em terra, onde fosse possível repelir os aliados assim que eles conquistassem uma cabeça-de-praia – no fundo, o que ele pretendia era recriar a Batalha de Dunquerque, de quatro anos antes. O próprio Rundstedt havia comandado o Eixo naquela vitória que arremessara as tropas inglesas para o mar.
Depois de ouvir atentamente aos argumentos dos dois e de seu alto-comando (majoritariamente favorável a Rundstedt), Hitler não fez uma coisa nem outra. Ele acabou por dividir suas forças entre praia e terra. Foi a pior opção possível. Na madrugada de 6 de junho de 1944, o Dia D, Rommel estava nas proximidades de Ulm, na Alemanha, comemorando o aniversário de sua mulher, Lucie. Só conseguiu chegar à França por volta das 22h, quando os aliados já tinham 150 mil homens em cinco praias.
Duas unidades, a 12ª SS Panzer e a Panzer Lehr, estavam a caminho, e o que havia sobrado da 21ª Panzer estava contra-atacando a 3ª Divisão canadense nas proximidades de Caen. Batidos na praia, os alemães agora tinham de encarar uma luta de defesa em várias frentes, com recursos insuficientes e a mobilidade parcialmente comprometida pelos maciços ataques aéreos inimigos. A partir de 7 de junho, e pelos dez dias seguintes, a 6ª Divisão Aérea britânica se mostraria capaz de barrar todas as investidas alemãs. No dia 12, os aliados tomavam Carentan.
Mais uma vez, os canhões de 88 milímetros de Rommel fizeram grandes estragos contra as forças aliadas. Com frequência, o avanço britânico em direção ao sudeste de Caen foi interrompido por uns poucos tanques Mark VI Tiger – em um dos casos, nas proximidades de Villers-Bocage, um único tanque, sozinho, conseguiu afastar um grupo de veículos ingleses. Mas os aliados ressurgiam em quantidades espantosas. Diante do fantasma de outra derrota estrondosa, Rommel começou a questionar seriamente a capacidade de liderança de Hitler e a defender abertamente que a Alemanha pedisse um armistício que mantivesse ao menos uma pequena parte das conquistas realizadas até aquele momento. Em um encontro realizado no dia 26 de junho, ele e Rundstedt entraram em acordo quanto a isso e comprometeram-se a levar essa posição ao comando do Exército. Em conversas privadas, Rommel passou a comentar que preferia calar suas baterias de defesa e permitir que Churchill entrasse em Berlim a ver os soviéticos, a leste, entrarem primeiro em sua capital.

Pessimismo
No dia 29 de junho, em conferência com o Führer, Rommel defendeu seu ponto de vista. “O mundo inteiro se posicionou unido contra a Alemanha, e essa desproporção de forças...”, ele começou. Hitler interrompeu-o bruscamente e pediu que o marechal se ativesse a questões militares, e não políticas. Foi o que ele fez, até o final de sua explanação. Rommel finalizava com críticas severas à passividade da Força Aérea, a Luftwaffe, quando disse que não poderia deixar de insistir em discutir o futuro do país caso a guerra continuasse.
“É melhor você sair desta sala agora”, Hitler respondeu. Os dois nunca mais se viram. Rundstedt detestava os nazistas, mas não continuou a insistir no assunto.Foi depois substituído pelo general Günther von Kluge. Desanimado, o marechal voltou ao campo de batalha, onde passou a fazer mais questão ainda de acompanhar de perto suas tropas. Ele parecia estar em todo lugar. Ao general Kluge, alertou, em relatório escrito em 5 de julho, que apenas 12 divisões estavam tentando conter todo o front, onde 40 divisões aliadas se movimentavam. Desde o Dia D, o Eixo perdera 117 mil homens, sendo 2,7 mil oficiais. Irritado com o pessimismo de Rommel, o general resolveu conferir a situação por conta própria. Dias depois, relatou a Hitler que a situação era realmente catastrófica.
Por causa dos ataques aéreos, os deslocamentos por terra sempre apresentavam riscos. Em 17 de julho, o carro em que Rommel estava foi atacado na França, no caminho entre Saint-Pierre e La Roche-Guyon. O marechal ficou gravemente ferido. Ele ainda estava inconsciente quando, no dia 20, Hitler sofreu um atentado a bomba. Em 25 de agosto, Paris era libertada. Rommel morreu em 14 de outubro. Em 2 de maio de 1945, Berlim era tomada pelos soviéticos.

Anzio


Meses antes do Dia D, os alemães quase repeliram uma tentativa aliada de invasão da Itália
Em janeiro de 1944, o Eixo esteve muito mais perto de repelir as forças aliadas do que na Normandia. Na região italiana de Anzio, 60 quilômetros ao sul de Roma, os alemães, em minoria, aproveitaram-se da boa posição defensiva construída na linha Gustav para repelir com força a Operação Shingle, uma tentativa audaciosa de invasão. Os aliados usaram 5 cruzadores, 24 destróieres, 238 lanchas de desembarque, 5 mil veículos terrestres e 40 mil soldados. O primeiro ataque aconteceu em Monte Cassino, no dia 16, e forçou o comandante da linha Gustav, o general Heinrich von Vietinghoff, a pedir reforços. O comandante Albert Kesselring destacou de Roma duas divisões, a 29ª e a 90ª. No dia 22, começaram os desembarques em massa. Três dias depois, três divisões cercavam e atacavam a cabeça-de -praia. Posteriormente, o responsável pela ação, o general John P. Lucas, seria muito criticado por não se movimentar contra Roma mais rapidamente, já que a cidade estava sem duas divisões, levadas para a linha Gustav. Por causa da lentidão, Lucas perdeu o efeito surpresa e expôs-se aos contra-ataques alemães. Ainda assim, graças à superioridade militar, os aliados foram capazes de avançar contra a capital italiana, que foi ocupada em 5 de junho.

Um comentário:

Anônimo disse...

Grande Marechal Rommel

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics