22 de junho de 2017

MPM investiga denúncias de abusos do comando de batalhão do Exército em Manaus

Ministério Público Militar investiga denúncias de abusos do chefes do batalhão
Nesta quinta-feira (21), o procurador do MP Militar José Luiz Pereira Gomes começou a ouvir quatro testemunhas do caso e hoje deverá ouvir outras quatro
Show batalh o03333
Denúncia dos militares também afirma que os coletes à prova de balas das unidades estão vencidos e mesmo assim são usados. Foto: Jander Robson
Manaus (AM) - Militares do 7º Batalhão da Polícia do Exército (BPE) apresentaram ao Ministério Público Militar uma série de denúncias contra o comandante da unidade, Ricardo Yoshiyuki Omaki, e o subcomandante, Raul José Vidal Junior, por diversas irregularidades. Entre as supostas irregularidades está o uso do consultório odontológico do quartel para fins particulares da esposa do comandante, Lucinei Omaki, que é dentista, além do uso de viaturas para atividades pessoais. Nesta quinta-feira (21), o procurador do MP Militar José Luiz Pereira Gomes começou a ouvir quatro testemunhas do caso e hoje deverá ouvir outras quatro.
A denúncia foi protocolada no início do mês. O documento cita pelo menos dez irregularidades praticadas pelos chefes do batalhão. Conforme a denúncia, Ricardo Omaki autorizou que a esposa dele exercesse a profissão de dentista no consultório da unidade e usasse os materiais odontológicos para atender pacientes particulares. Os militares relatam que a esposa do comandante realizava as suas consultas na unidade em dias sem expediente e que, nos dias que havia expediente, Lucinei utilizava o consultório apenas na hora do almoço. “O comandante ordenava que a tenente ficasse dentro do consultório enquanto sua esposa atendia seus pacientes particulares (...) apenas com o intuito de disfarçar a ilegalidade cometida”, diz trecho da denúncia.
O subcomandante Raul José Vidal Junior é citado no documento como a pessoa que fazia a “escolta” da esposa de Omaki para evitar que a guarda a impedisse de entrar no batalhão. A denúncia também afirma que Lucinei tinha autorização do comandante para utilizar todos os materiais odontológicos para atender os pacientes dela. Outra irregularidade apontada na denúncia é a utilização de viaturas e motoristas militares para atividades pessoais. Omaki teria sido, inclusive, flagrado por um militar chegando em uma boate na Zona Oeste em um carro da PE. O militar que fez o registro foi obrigado a apagar a fotografia e, posteriormente, foi expulso da corporação.
A denúncia afirma ainda que Ricardo Omaki obrigou outros dois militares a pagarem “indenizações” por prejuízos causados em motocicletas da unidades durante o serviço. Para um deles, o comandante chegou a cobrar R$ 18 mil. As cobranças aconteceram mesmo os dois militares tendo sido absolvidos nas sindicâncias instauradas para apurar cada acidente. Raul Vidal, por sua vez, foi denunciado por utilizar militares para fazer pagamentos de contas pessoais em casas lotéricas.
Para A CRÍTICA, o Comando Militar da Amazônia (CMA) informou que até o momento não foi notificado sobre as denúncias. Hoje, o MP Militar deve concluir os depoimentos das testemunhas e decidir que vai oferecer a denúncia à Justiça Militar ou se irá pedir novas investigações sobre o caso.
A Crítica/montedo.com

46 comentários:

Anônimo disse...

Então quer dizer que tem o japonês da federal e agora o japonês da PE ?!? Kkkkkk

Anônimo disse...

Vergonhoso como Alguns membros da Força ainda agem como se ditadores fossem. Hoje a sociedade, tanto civil, quanto militar, não comporta mais esse tipo de atitude. Acabou o tempo de " manda quem pode e obedece quem tem juízo ". Os direitos humanos já adentraram a caserna.
E outra Srs autoritários. Hoje seus subordinados já "sabem ler e escrever". Piruem errado e vão levar seu catralhopo na justiça !!!

benhur disse...

Estes 2 são militares temporários? (Perguntar não ofende)

Anônimo disse...

Ao Sr.Benhur, esses dois militares não são temporários, inclusive servi com o Coronel Omaki no CFR/7º BIS, na época, ele era Tenente Omaki, usava óculos, super operacional, nada tenho contra ele, inclusive quanto esteve como instrutor da AMAN, em vista de instrução ao 29ºBIB, o mesmo me deu um abraço e relembramos os bons momentos de Selva. Mas o ser humano é corrupto, e quando ocupa o poder tudo é possível, infelizmente fiquei triste com a notícia mas não surpreso. Deus disse que MALDITO O HOMEM QUE ACREDITA NO HOMEM!
Atenciosamente " A LENDA DO 29º BIB"

Anônimo disse...

Vacilão.

Anônimo disse...

Mais um grupo de milico que deve criticar a corrupção na política.

Gen Anibal disse...

Tem muito Comandante de OM que pensa estar no Olimpo e que deve ser tratado como um Semi-Deus, mas esses militares esquecem que os subordinados de hoje têm o Ministério Público para sanar essas arbitrariedades do RQuero. Esse foi um dos motivos que fui para a Reserva Remunerada bem cedo, Subtenente com menos de 50 anos. Conviver com esse tipo de militar que quer ser a última bolacha do pacote, mais quebrada.

Anônimo disse...

Ter o poder nas mãos não é para qualquer um, só esquecem que não estão acima da Lei. Vão ser punidos exemplarmente?? Uma transferência é certa. Quando o "Batman"(capa preta) entra na estória o poderoso se faz de inocente.

Anônimo disse...

Nos dias de hoje esta muito complicado ser Comandante. São 2 anos no "fio da navalha". Já vi Comandante (zero de AMAN e ECEME) que tinha tudo para ser General, mas no final do Comando teve uma denúncia. Hoje em dia até dizer qualquer "palavrão" na frente da tropa é motivo de ação. Um outro que conheci na reta final do Comando nas festas de final de ano levou o pessoal do rancho ao pnr para fazer um churrasco para seus amigos da cidade. Um soldado colocando a carne, meteu um espeto na mão e perdeu os movimentos dos dedos. Nem grama do pnr pode mandar o soldado cortar. O que tem deixado os Comandantes no "fio da navalha" é a questão dos pnr, o camarada (subordinados) tem imóvel na cidade, aluga para outro militar que esta na fila de espera e fica ocupando pnr. O principal responsável é o Comandante por não tomar providência. Alguns Fiscais que são prevenidos estão pedindo para todos fazerem declaração em cartório dizendo que não possui imóvel. Isto é amparo do Comandante. Infelizmente nos dias de hoje é complicado. Um Comandante se prepara toda vida e quando chega no Comando por qualquer coisa perde sua carreira e alguns ainda saem com processos e muitas vezes tem que pagar indenizações.Nesta reportagem eu não acredito um PE, que são tropa de elite, dizem que os Comandantes de PE são os melhores do EB e sempre são Generais não faria isto.

Anônimo disse...

Quer ser feliz no Comando? Seja Humilde! Seja Simples! Sem vaidade e arrogância, Ande pelo Quartel não fique no PC, Compareça junto dos subordinados. Faça um bolo dos aniversariantes do mês e reúna-se com o Subordinados. (Aperto de mão não desvaloriza ninguém aperte a mão do seu subordinado), No dia das crianças reúna no seu quartel os filhos dos subordinados, faça um bolo um suco, O subordinado com problema chame e converse. Nas formaturas elogie sua tropa. Lembre-se que o seu Comando depende dos seus Subordinados. Seja simples, Seja Humilde. Sendo assim terá uma tropa toda unida e a seu favor. Mensagem de uma praça velha que ficou 34 anos na tropa e viu militares que foram vitoriosos em suas carreiras com estas simples atitudes. Assim como testemunhei militar arrogante que no final da vida teve suas fraldas trocadas no quarto de um Hospital Militar pelo Sgt enfermeiro que ele puniu anos atrás porque não pagou uma conta na cantina. Sejam Humildes, A vida é uma passagem.

Anônimo disse...

Não sou advogado de nenhum dois dois.
Já servi com ambos.
Se a denúncia se confirmar, será uma grande decepção.
Ambos são excelentes militares.

LUIZEDZ disse...

Para chegar a este ponto é sinal que a coisa estava berrante.

Marinho disse...

Deve ter sido algum praça que denunciou

Anônimo disse...

Sabe de quem é a culpa? Do sistema, onde esses caras pensam que podem tudo. São formados dentro de uma filosofia e metodologia de quando os militares ainda estavam no poder. E de se admirar que em pleno ano 2017, numa sociedade democrática e com amplo acesso à informação dois coronéis responsáveis pelo comando da OM deixem isso acontecer é pior ainda são coniventes.

Anônimo disse...

Ao meu ver, 4 oficiais vagabundos porém peixes (isso tem a rodo na Amazônia, sei pois minha mulher tentou entrar para dentista mas desistiu diante de absurdos na seleção) , foram pra rua pois pegou um comandante firme e, para se vingar, mal denunciaram no MPM e já vazaram para o jornal A Crítica. A notícia saiu no dia seguinte da denúncia ainda em investigação, segundo a própria matéria. Não fala nada dos denunciantes, o motivo da expulsão...

Anônimo disse...

Mui comandante!

Anônimo disse...

Também fiz e ainda faço serviços remunerados particulares de graça no meu quartel, caso contrário não seria reengajado. onde e pra quem denuncio?

Anônimo disse...

Nããããoooooo!!!!!!
Isso não acontece no Exército de Caxias.

MPM, se vcs quiserem notoriedade, basta investigar qualquer quartel que isso aí é altamente comum e corriqueiro em todas, digo TODAS as OMs.

Exemplo, no quartel que sirvo o SCmt realiza competições esportivas de tiro particulares todo fim de semana.
Detalhe! Com munição do paiol e escalando um monte de militares para o apoio como se fosse missão militar... Pra ficar agradando um monte de playboyzinho da cidade de Osasco e região.

E coitado do militar que faltar a "missão".

E como esta tem diversas histórias, basta procurar MPM!!!!!

H C disse...

Pagar a conta de outros militares ou fazer serviços externos agora é motivo de denúncia? Desde sempre (há 30 anos) eu vi o serviço de estafeta funcionar no Exército. Desde o internato no CMRJ. Havia um soldado escalado, reunia as missões particulares de cada aluno e saia à rua para resolver, enquanto os demais permaneciam em suas atividades profissionais. O soldado comprava graxa pra um, um caderno pro outro, pagava uma conta pra outro, sem qualquer problema. Certa vez na Amazônia, permanecemos 2 meses em missão na selva, e tinha sim senhor, um soldado escalado diariamente pra resolver todo tipo de problema particular dos militares do Batalhão. Imagina se todos os militares fossem pra fila do banco, ou se cada militar que precisasse despachar um requerimento particular tivesse que ir pessoalmente na Brigada ou RM?

Anônimo disse...

Em resposta ao Anônimo que comentou em 22 de junho de 2017 17:52

Não há nada escrito que proíba o militar que possui casa de ocupar PNR. Você pode achar errada, mas não é ilegal e nem imoral. Pois da mesma forma que o militar que comprou seu imóvel, você que critica também tem ou teve condições de adquirir um imóvel. Para isso basta ter disciplina financeira.
Se você não conseguiu durante todos esses anos adquirir um imóvel a escolha foi sua e somente sua.
Agora, por você não ter adquirido um imóvel, não venha querer desmerecer o esforço do outro companheiro.

É melhor escrever aqui sugestões ou críticas construtivas que venham trazer melhorias para todos militares.

Exemplo:

Sugiro que, como não existe PNR para todos os praças, deveria existir um tempo máximo para ocupação, algo como 4 anos. Passado este prazo, se houvesse militares na fila de espera, o ocupante seria obrigado a desocupar o PNR.

Ou ainda, os militares que estivessem se apresentando na guarnição teriam preferência para ocupar os PNR, tendo em vista evitar todo aquele desgaste de correria na procura por imóvel para alugar sem conhecer a localidade.


Abraço!

Anônimo disse...

Onde está o problema do Militar ter imóvel na cidade e, ocupar PNR? Até onde sei, não existe ilegalidade nisso. Em minha OM,grande maioria que ocupa PNR possui imóvel e nunca foi e nunca será impecilio.
PS: não ocupo PNR.

Anônimo disse...

"(...) Nem grama do pnr pode mandar o soldado cortar (...)".

E se pudessem, acha isso correto?

Anônimo disse...

Pois é como pode ainda existir militares com esse pensamento, usar viaturas para uso próprio, fazer festas particulares usando o Aprovisionamento, segurando o efetivo até altas horas da noite, isso acontece muito com a infantaria, coroneis acham que ainda tem poder do tempo da revolução de 64. esqueçam vocês não mandam mais nada, nem da vida de vocês, pois quem manda é as mulheres que querem mandar no quartel, fazendo chazinho, esportes dentro dos quarteis usando a mão de obras de militares. denúncia neles!!!!!

Anônimo disse...

Essa notícia é uma denuncia, não é fato. Será apurada e quando a verdade vir a tona deve ser divulgada. Servi com o comando do batalhão denunciado e acho difícil acreditar nessa estória. Mas saibam que o mesmo comandante não está renovando o contrato de alguns oficiais R/2, tendo um deles inclusive abandonado o serviço de oficial de dia. Será que foi por isso que caluniaram o comandante?

Anônimo disse...

Perfeito a sua análise.

Anônimo disse...

Não fale asneiras. Dos órgãos públicos o único que realmente pune e o militar.

Anônimo disse...

Galera este negócio de pnr esta complicando. Não é ilegal mais sim imoral.O camarada esta em Gu especial com imovel na guarnição não solicita movimentação e aluga o imovel para quem esta de passagem na guarnição. Muito injusto tem que apurar e punir mesmo. Semelhante ao camarada que vai movimentado e pedi reconsideração de a to, agora é ordem a DAPROM é informada, seá que esta cara sai qao? Voltando ao pnr os Fiscais tem que apertar mesmo. Eu acho injusto isto. Quando voltar o auxilio moradia quero ver se os Senhores que não concordam vão ficar no pnr e perder o auxilio moradia. O cara tem que ter étia. Eu já vi camarada que a esposa é temporária ele foi movimentado declarou a esposa e deixou ela na guarnição de origem. Os camaradas acham isto justo?

Anônimo disse...

Com certeza nada justo o militar com imóvel e ocupar casa em Vila Militar. Muito mais grave ainda o cara sem o dependente (divorciado e filhos em outro estado) e ficar na casa da Vila Militar, mais grave ainda o Oficial QAO promovido permanecer em casa de Vila Militar de Sargentos. O cara ingressou no QAO desocupa. Oficial é Oficial, Praça é Praça cada um no seu quadrado.

Anônimo disse...

Sou sargento do Exército, entrei com 17 anos no cfs, era meu grande sonho, hoje estou completamente desmotivado. No militarismo, nós (praças) trabalhamos para que o oficial seja promovido. O Exército cria suas próprias burocracias. Eu não dialogo mais, errou comigo procuro o judiciário, se não escutam a minha voz, escutarão a do juiz. Lamentável.

Anônimo disse...

Esta briga miserável por PNR, é muita mendicância. Não é ilegal e nem tão pouco imoral, cada um com os seus problemas, e todos temos problemas, alguns mais e outros menos. O camarada nunca se preocupou com a questão de moradia e agora quer penalizar quem correu atrás do seu? Quebra o meu galho com letras garrafais. Se organize financeiramente, deixe de tocar de carro, corte daqui e dali, pare de investir em coisas supérfluas, faça um esforço financeiro e financie a sua casa pracinha, é o jeito. Não culpe os outros pela sua incompetência ao lidar com o pouco que ganha. Entre na fila, aguarde e pare de choramingar. Além disso, seja inteligente, não crie falsas expectativas para a sua família, apenas explique a realidade.

Anônimo disse...

Cadê o cara que falou que não concorda em praça sair QAO? Aquele do comentário sobre o capitão que deu alteração em Teresina. Vc deveria comentar a respeito deste caso também meu camarada, pois são dois fatos bem distintos: O Capitão de Teresina apresentou um distúrbio psicológico (ou vc acredita que duas cervejas deixam alguém bêbado àquele ponto?); Neste caso trata- se de desvio de personalidade.

Anônimo disse...

Já foi provado que ele é corrupto? "MALDITO O HOMEM QUE ATIRA A PRIMEIRA PEDRA, MESMO TENDO ACABADO DE CHEGAR AO APEDREJAMENTO".

Anônimo disse...

Bem observado. A justiça deve ser feita, após apurados os fatos. Até a matéria, que é tendenciosa, usa os termos de "suposto", "acusado", "denunciado" etc.

Anônimo disse...

Que a verdade seja apurada, e sirva de lição para os maus. Mas uma coisa é suspeita, a notícia do jornal A Crítica não diz nada sobre os denunciantes, o que os motivou, que tipo de pessoas são, ou porque foram expulsos. E a velocidade em que a matéria foi ao ar (no dia seguinte ao início da apuração do ministério público, e isso está no próprio jornal) é estranho. Não digo nada se um dos denunciantes não tiver costas quentes com a imprensa. Quem é de lá sabe. Se um comandante quiser moralizar seu batalhão, vai ter dor de cabeça e represálias das mais covardes, e isso se não acabar em crime mais grave.

Anônimo disse...

Ele já foi condenado? É mesmo culpado?

militar sem recalque disse...

Quem conhece o CMT do 7BPE sabe o quanto é um oficial dedicado e íntegro.Acho uma grande besteira esse recalque que alguns militares tem com relação aos CMTs .Ao assumir o cmdo entregam seus cpf e as suas vidas ás atividades de OD e comando .Fato este que muito que os criticam não teriam coragem nem competência para faze-lo.Denuncia deve ser apurada , até para que o acusado consiga provar a sua inocência.Quem não os conhece deve repensar muito o que escrever ou falar para não ser injusto com quem não deve.Deixa o MPM investigar e tomar as providências necessárias.Inclusive processar por calúnia e difamação se não existir prova do ilícito.

Anônimo disse...

Quanto ao PNR o própio EB reconhece o problema,nao adianta se lamuriar te que correr atrás dos seus direitos e deixar de se lamuriar nos alojamentos Brasil afora.

PORTARIA N º 087-EME, DE 10 DE ABRIL DE 2014.
Aprova a Diretriz para Planejamento da Parceria Público-Privada do Projeto
de empreendimentos residenciais do tipo Próprio Nacional Residencial
(PPP-PNR) (EB20-D-08.002) e dá outras providências.

http://www.epex.eb.mil.br/images/pdf/doc/portarian87.pdf

Anônimo disse...

Sobre o PNR:

O Sargento Padronildo, se formou no CFS no ano 2000, e foi classificado na cidade de Barueri-SP. Ao longo dos últimos anos 17 anos, o Sgt Padronildo não foi movimentado, mas com disciplina financeira conseguiu juntar uma boa grana e comprou um imóvel. No início de 2017, na guarnição de Barueri, um PNR foi disponibilizado, e Padronildo era o próximo da fila de espera por PNR. Muito bem disciplinado com suas finanças, Padronildo verificou que poderia ter uma renda extra ao alugar o seu imóvel e consequentemente ocupar o PNR.

Já o sargento Chechelento, que é da mesma turma de formação do Sgt Padronildo, após o CFS, foi classificado em Manaus. O Sgt Chechelento curtiu muito o período em que ficou em Manaus. Era festa e mais festas, muita curtição. Na época das férias, Chechelento escolhia algum destino paradisiáco para desfrutar aquele mês de folga. Chechelento não era de poupar suas economias, pois ele não tinha consciência de como administrar o seu dinheiro. De Manaus, Chechelento foi servir em Natal-RN. Outra localidade em que ele aproveitou muito para fazer festa. Foi lá que ele conheceu a sua esposa. Completado o seu tempo de guanição, Chechelento foi transferido para uma guarnição especial, Cruzeiro do Sul-AC. Com o dinheiro de sea transferencia, Chechelento e sua esposa optaram por fazer um turismo pela Europa durante o período de trânsito. Passado o tempo em Cruzeiro do Sul, por interesse do serviço (ou como muitos dizem: sacanagem da DCEM), Chechelento foi tranferido para Barueri-SP. Sua ultima opção de transferencia.

Chegando em Barueri, Chechelento rever seu companhaeiro de turma, o Sgt Padronildo. Sgt Padronildo, ao saber que Chechelento está a procura de imóvel para alugar, oferece seu apartamento. Chechelento aluga o apartamento de Padronildo, mas fica muito irritado ao saber que Padronildo mora em um PNR, sendo que o mesmo possui um imóvel na cidade. Chechelento vai reclamar com o Fiscal Administrativo, mas de nada adianta, pois a legislação é clara e não proíbe nada sobre o assunto.


Bem senhores, moral da história.... façam vocês mesmo a moral da história.

Anônimo disse...

Ao comentarista de 24 de junho de 2017 14:02. Cara o que estão se referindo é no pessoal que esta em Localidade A ou Guarnição Especial, além do tempo previsto, ocupando PNR e alugando o imóvel na mesa cidade. PNR destes locais é para atender quem esta chegando. O cara não quer sair então desocupa. Na verdade a culpa é da DCEM que não retira os camaradas. O Sr acha justo, ficar em guarnição especial recebendo 20% ou 10% a mais, averbando tempo para reserva e ainda "sugando" os companheiros. PNR meu camarada não é para ter lucro e si atender a moradia. Vai uma noticia informes que uma nova IG sobre PNR esta saindo e vai terminar tudo isto. Inclusive nas Guarnições comum vai ser somente 5 anos no PNR. Não suporto ver o camarada que quer se dar bem nas costas dos outros.

Anônimo disse...

Tem quartel que militares fazem e faxina na casa de oficial

Anônimo disse...

- Se forem investigar as demais Unidades, encontraram muito mais coisas...

Anônimo disse...

Ao Anônimo24 de junho de 2017 14:02,

Não costumo comentar nada aqui no blogue. Contudo, quando li seu comentário, diga-se de passagem, a melhor análise postada aqui de todos os comentários que já li.

Parabéns pelo seu comentário e que sirva de reflexão para aqueles que acham que é melhor andar num carrão do ano do que a investir num imóvel.

Guararapes 350 anos

Anônimo disse...

Ao comentarista de 24 de junho de 2017 17:39

Se o militar está servindo em localidade comum ou em localidade especial, a legislação sobre PNR é uma só.
Não existe nada que proíba tal atitude, portanto não é ilegal. E não considero imoral.

Agora, você não pode usar os erros da DCEM, de fazer alguns permanecerem mais tempos em localidades especiais, para reclamar sobre alguem que ganha um dinheiro extra com aluguel.

Se vingar o Auxílio Moradia, há quem acredite que quem tem um imóvel no seu nome não terá direito ao auxílio. Porém, como tudo nesse país encontramos um jeito de burlar o sistema, muitos vão transferir a documentação do imóvel para o nome da esposa ou dos pais, ou dos filhos. Se isso, acontecer, vai continuar aparecendo gente pra reclamar.

O erro não é de quem aprendeu a ganhar dinheiro. O erro é seu que não soube administrar o seu dinheiro. E a falha é do Exército em não atender a demanda dos militares.

Anônimo disse...

Sgt Chechelento e Sgt Padronildo: dois estereótipos criados por um praça frustrado e recalcado. Tenho pena desse tipo de gente com suas visões simplistas da natureza humana.

Anônimo disse...

Cara, paga auxílio moradia para quem não ocupa PNR e pronto. Com os valores de auxílio moradia dos outros agentes não Militares da Adm Pub Fed, ninguém iria querer PNR. Nos estraçalhamos por migalhas.

Anônimo disse...

Não julgue sem conhecer os fatos.
Trata-se de 3 ex-tenentes golpistas que foram mandados embora e forjaram as denuncias caluniosas.
Um deles, o Ten Boechat, vai ser julgado este mês pela Justiça Militar.

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics