16 de fevereiro de 2017

Especialistas discordam do emprego das Forças Armadas no policiamento do Rio

Para eles, situação do estado não justifica emprego da força, embora concordem que há efeito na sensação de segurança
RENAN RODRIGUES
RIO - A morte de um suspeito de ter roubado uma motocicleta ontem na Avenida Brasil, baleado por militares, acendeu a discussão sobre o uso das Forças Armadas no patrulhamento ostensivo das ruas da cidade. Especialistas em Segurança Pública ouvidos pelo GLOBO discordam do emprego das Forças Armadas no patrulhamento do Rio de Janeiro. Para eles, a atual situação do estado não justifica o emprego da força, embora concordem que a demonstração de força possui efeito na sensação de segurança.
Pesquisador do Núcleo de Estudos de Cidadania, Conflito e Violência Urbana da UFRJ (Necvu), Michel Misse justifica essa visão baseada no preparo dos militares. Segundo ele, o foco desses agentes está no confronto.
— As Forças Armadas não são preparadas para o trabalho de policiamento ostensivo. Elas são preparadas para a guerra, o combate. Não são para administrar alguma situação, prevenir conflitos. Os problemas que têm sido apontados na (atuação da) Polícia Militar, que está na sua formação militarista, são agravados nas Forças Armadas, cuja formação não é para o policiamento — afirma Misse, que questiona o contexto do uso das Forças Armadas: — O Rio viveu algumas situações excepcionais. Essa situação pode ser tratada como excepcional, mas é prosaica.
Já o consultor em segurança Vinícius Cavalcante defende que as tropas militares estão preparadas, entre outras funções, para o policiamento ostensivo. Ele discorda, entretanto, da finalidade do atual uso do efetivo no Rio. Ele concorda com Misse sobre a ausência de uma situação que justifique o emprego deste efetivo.
— Não me agrada empregar esse efetivo em missões de segurança. Fala-se na possibilidade de militares atuarem no controle de distúrbio na Alerj. Nada pode ser pior. Know-how pra controle de distúrbio eles têm, mas é uma função muito espinhosa. Nós não estamos falando de um quebra-quebra generalizado. Não é 2013, que em certos aspectos justificaria o emprego das forças armadas. O protesto advém de uma má gestão política, uma reivindicação de setores da sociedade. Aí você usa as Forças Armadas, o último recurso, para defender o parlamento de uma má gestão — critica Vinícius.

DEMONSTRAÇÃO DE FORÇA INIBE A VIOLÊNCIA
Na terça-feira, durante o anúncio do emprego de Forças Armadas no Rio de Janeiro até o dia 22, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que a presença das Forças Armadas no Rio é “preventiva”. Vinícius Cavalcante observa que a presença das Forças Armadas é uma demonstração de força e que, um dos efeitos, é a sensação de segurança:
— Nós estamos vendendo para as pessoas uma sensação de segurança. Essa sensação, claro, é importante para o comércio, para o funcionamento da cidade. Não é o motivo principal (a sensação de segurança), mas há um efeito. Os soldados estão em condição de agir caso seja necessário. Ninguém vai brincar com um fuzileiro, porque, se o soldado não conseguir resolver, vai tomar uns tiros.
Michel Misse analisa que, além da sensação de segurança, a presença das tropas federais também reduz o peso dos protestos de familiares de PMs, que ocorrem desde a última sexta-feira.
— A presença dos militares inibe e diminui os protestos dos familiares de policiais militares. O papel é também simbólico. É pra dizer: “agora a coisa é diferente”. Não deixa de ser importante, para diminuir a possibilidade de aumento na violência.
O Globo/montedo.com

16 comentários:

Anônimo disse...

Ahhh, os especialistas...

Anônimo disse...

Fazemos os trabalho dos outros, que são formados, treinados para tal tarefa, mas cadê a valorização da familia ?

RELEMBRANDO, PORQUE É SEMPRE BOM FALAR, POIS ALGUNS SE CONTENTAM COM AS ESMOLAS (5,5% em Set e 5,5% em Jan) E LOGO ESQUECEM AS PERDAS.

E não temos fartas diárias a receber, visitando até TG, Del, etc ... para completar a renda. Os generais só se dão conta, quando estão na reserva vivendo apenas da remuneração, sem as mordomias do cargo.

Cálculo da variação de um período - IPCA (IBGE)
A variação do índice IPCA (IBGE) para o período de 01/03/2012 a 31/01/2017 é 39,4303% - (incluso as conversões de moeda)

Fonte: http://www.debit.com.br/consulta10.php

Heloisa Sardinha disse...

A opinião desses "frescos"não interessa a população abandonada pelo estado falido.

Anônimo disse...

Lasier diz que assinou "por engano" PEC para blindar membros da linha sucessória da Presidência.
este são que batiam panela e que mudariam o Brasil quando estava na RBS era um Leão agora e mais um nesta corja de ladrões, cade o pedro erneras para dar um choque trifásico neste loco mal intencionado.
http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/politica/noticia/2017/02/lasier-diz-que-assinou-por-engano-pec-para-blindar-membros-da-linha-sucessoria-da-presidencia-9722936.html

Anônimo disse...

CEL DO EXÉRCITO ESCREVE TEXTO ABSURDAMENTE BRILHANTE

Gostaria de conhecer esse Oficial para poder apertar-lhe a mão e parabeniza-lo!

Do Cel CARLOS ALBERTO BASTOS MOREIRA
A TODOS MEUS IRMÃOS EM ARMAS.

Não se iludam com aplausos de intervenção de EB.
Nós não fomos feitos para isso, a não ser para policiarmos áreas em que já destruimos o inimigo práticamente de maneira total, pelo emprego total de nossas armas e poder de fogo.
Não temos o perfil de patrulhar ações pontuais, em área completamente sob o poder do inimigo.
Estão nos colocando ( e a nosso potencial humano combatente ) numa situação de fragilidade perante a lei do politicamente correto, Qualquer militar que atira, que matar, certamente vai começar tendo sua arma recolhida, para exame balistico.
Isso não existe para nós na guerra, nossa destinação.
Somos totalmente diversos de uma destinação da honrosa policia, por principios de emprego.
O policial atira se a voz de prisão não for respeitada….
Exercito é feito para atirar primeiro e quem não quiser morrer que se renda. Totalmente diferente. Ou não funciona e só desmoraliza.
Policia é muito mais capaz de atuar nesses eventos pontuais de desordem.
Nós somo profissionais do aniquilamento, embora muitos que já se tornaram “vôvôs” tenham perdido a noção desse conceito. Temo muito por nossos rapazes, soldados, demais graduados e oficiais…. largados numa arena e tendo um braço amarrado ….
Não se esqueçam ou por isso me critiquem : nós somos profissionais do aniquilamento do inimigo e só somos aptos a patrulhar áreas onde nosso potencial ja se fez totalmente sentido.
Não somos policia. Policia é coisa especializada. Nos somos o Caos.
A guerra.
Temo a desmoralização… as armas recolhidas para balistica pelos ” direitos humanos, etc, etc…
Temo o tenente preso e abandonado pelos chefes( como já aconteceu no Alemão )…temo a proximidade de conversas com o inimigo. temo mais um escândalo.
C2-50 Manual de Campanha da Cavalaria …. art….paragrafo ….. ” é terminantemente PROIBIDO entabolar conversações com o inimigo. Qualquer tentativa deste, nesse sentido, deve ser repelida pelas armas “..
Vai dar para fazer sem que a ” justiça” ( que está em posição de emboscada ) não condene o guerreiro que seguiu o regulamento..???..
Eu não consentiria a menos que houvesse Lei Marcial e estado de Guerra.
Eu gosto de soldados…
E quando uma mãe manda seu filho para servir ao Exercito, ela até sabe que ele pode morrer em alguma guerra. Mas jamais se conformará se ele for preso por atirar em vagabundo.

(De um grupo do Whatsapp)

http://redebrasildeativismo.com.br/aconteceu/cel-do-exercito-escreve-texto-absurdamente-brilhante/

Anônimo disse...

MAJOR DA PM DÁ GRAVATA E ARRASTA MULHER DURANTE PROTESTO NO RIO

http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/280546/Major-da-PM-d%C3%A1-gravata-e-arrasta-mulher-durante-protesto-no-Rio.htm

Anônimo disse...

A “policialização” das Forças Armadas no Brasil

http://www.campograndenews.com.br/artigos/a-policializacao-das-forcas-armadas-no-brasil

Anônimo disse...

Para mim, eles são meros "especialistas".

Anônimo disse...

Hoje em dia treina-se mais GLO do que operações convencionais e esse "especialista" vem dizer que não temos preparo? Temos que ter cuidado, pois daqui a algum tempo esse senhor Michel Misse poderá ser cotado para o Ministério da Defesa ou alguma secretaria estadual de segurança pública.

Anônimo disse...

Depois de virar rotina, qualquer pendenga da PM ou dificuldades no Estado ou Município, vão pedir os militares. No Brasil, tudo que é provisório vira permanente.

Anônimo disse...

A policia e muito bem preparada mas o estado e falido...todos os pms são disposição...mas não tem peito de aco

Anônimo disse...

Esse país só tem "especialistas". Se você disser o que o interessa ao interessado, você também será considerado um especialista.
Não vai adiantar ficar dizendo que as FFAA não são preparadas para isso, e são preparadas para aquilo.
A polícia é preparada, mas não consegue, nem nunca vai conseguir combater violência nenhuma; porque, qualquer cego "consegue ver" que, escancaradamente, a "justiça" manda de volta para as ruas, aqueles que a polícia está cansada de prender, na alegação de que está cumprindo a lei.
Enquanto isso não mudar, e, acredito que não vai mudar, melhor melhor mesmos, são as FFAA se prepararem para fazer segurança pública. Afinal,é nelas que a população confia e tem esperança.
O fato é, que, provavelmente, daqui para frente, cada vez mais serão utilizadas para fins de segurança pública.

Anônimo disse...

Se as tropas não tivessem preparo, não teriam ido para o Haiti. Claro que não concordo com a utilização dos militares a todo momento de crise. Isso vai "viciar" os governadores, economizando por um lado, para jogar dinheiro fora pelo outro. Apesar das coisas ruins com o movimento da PM, o governo federal sentiu o perigo do problema caso inclua os militares na reforma da previdência.

Anônimo disse...

O papel desses especialistas deveria ser de arrumar solução prática para consertar esta situação, mas não, só sabem usar de ACHISMOS que nunca funcionam. São uns tendenciosos da política do banditismo.

Anônimo disse...

a população do Rio não quer saber da opinião de "especialistas" e o governador pé grande é malandro e sabe que se deixar na mão dos "PM´s" a coisa pode degringolar como já é de praxe nos chamados grandes eventos.

Julyana Oliveira disse...

cb oliveira pmpe agora com essa tal de audiencia de custodia o mano sao todos soltos pelo dr juiz e ai de quem pondera

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics