15 de fevereiro de 2017

Exército inicia ação no Rio; em 10 anos, tropa teve de ir às ruas em 1/3 dos dias

Força participou 67 vezes de operações de Garantia da Lei e da Ordem na última década em 17 Estados. Motivos vão de eleições e ataques a reuniões de autoridades
Marco Antônio Carvalho e Mariana Durão
SÃO PAULO E RIO - Nove mil homens das Forças Armadas passaram nesta terça-feira, 14, a reforçar a segurança do Rio, naquela que será a quarta operação desenvolvida pelas tropas neste ano, após atuarem no Rio Grande do Norte e no Espírito Santo, e terem sido destacadas para fazer varreduras em presídios. Levantamento feito pelo Ministério da Defesa e pelo Comando do Exército, a pedido do Estado, mostra que o acionamento do reforço federal tem sido cada vez mais comum e já consumiu 1.300 dias de atividades nos últimos dez anos, o que equivale a mais de três anos de operações.
Apesar de a atuação estar prevista na Constituição, sob o escopo de Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), o uso recorrente é criticado por especialistas que veem desvio de finalidade da força e risco de prejuízos à sociedade. O acionamento encontra ressalvas também dentro das corporações.
O Exército participou 67 vezes de operações GLO na última década em 17 Estados. São as mais variadas as razões: de ataques violentos nas ruas, como em Natal em janeiro, ao congresso técnico da Fifa, em Florianópolis (2014). O rol de atuações inclui ainda 13 participações para seguranças de reuniões, encontros e cúpulas com autoridades de Estado, 15 para eventos esportivos e 9 para eleições ou plebiscitos.
As mais comuns são as ações de patrulhamento e ronda urbana, como a do Rio. As tropas já estiveram no Estado entre novembro de 2010 e julho de 2012 na Operação Arcanjo, quando foram empregadas na pacificação de favelas. O Rio está entre os que mais usam as tropas, como ocorreu em 2013 para segurança durante a realização dos leilões de campos de petróleo de Libra e na Jornada Mundial da Juventude.
O diretor executivo do Instituto Sou da Paz, Ivan Marques, pede cautela no uso da Força, que considera necessária só em momentos urgentes. “As tropas têm como missão a defesa da soberania nacional e são preparadas para a lógica de guerra. Como polícia, elas têm de entender que o objetivo é proteger e servir e não ver o cidadão como inimigo a ser abatido.”
Ele fala que o reforço pode acabar por levar mais tensão. “Imagina o soldado treinado para matar enfrentando com um fuzil de guerra a criminalidade das ruas. Pode ter consequências não desejadas pelo Estado”, disse.
O especialista em segurança e inteligência Ricardo Chilelli critica esse emprego. “Não tem perfil, não tem doutrina nem treinamento. É totalmente indevido. Uma hora é para atacar Aedes, outra hora para subir morro no Rio”, disse.
Nesta terça, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, foi taxativo ao afirmar que a Operação Carioca tem caráter preventivo, porque, ao contrário do Espírito Santo, o Rio não vive descontrole do policiamento. No pedido enviado à presidência, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) chegou a mencionar o risco de uma “contaminação”.
Na sexta, familiares de policiais passaram a fazer protestos na porta de batalhões fluminenses, com efeitos menores. “O policiamento, em que pesem os protestos, está na ordem de 95%, 97%”, afirmou Jungmann.
As tropas devem ficar no Estado até dia 22. O número de militares à disposição do governo do Rio corresponde a 20% do efetivo de PMs do Estado, de 45,9 mil homens. O pedido original solicitava que o reforço permanecesse durante o carnaval, o que só deve ocorrer se a operação for prorrogada. O Exército patrulhará integralmente a Transolímpica, a Avenida Brasil, pontos de Deodoro e de Niterói e São Gonçalo. Além disso, um grupamento de mil fuzileiros navais vai atuar entre o limite norte do bairro do Caju e o limite sul do bairro do Leblon.

Movimento
No quinto dia de protestos na frente de batalhões, a mobilização perdeu força. No 6.º Batalhão (Tijuca), os policiais já conseguiam sair sem bloqueio. O mesmo aconteceu em Jacarepaguá (18.º), Méier (3.º) e Olaria (16.º). Em uma tentativa de forçar o fim do movimento, o Estado fez o pagamento de salários e benefícios atrasados de janeiro. A Polícia Militar e os bombeiros ainda receberam reajuste de 7,65%.
As mulheres que lideram a ação se revezam e montam uma escala de plantão via WhatsApp. Elas têm usado doações para se manter. Em Rocha Miranda, na zona norte, um dos grupo se cotizou e comprou uma piscina inflável de 3 mil litros no fim de semana.

Comando diz ter criado centro e ajustado conduta
O Comando do Exército informou ao Estado que nas últimas décadas atualizou seu plano de treinamento, “de modo a contemplar seus quadros com conhecimentos teóricos e práticos para aperfeiçoamento do desempenho nas atividades de não guerra, com foco na proteção da sociedade”. A corporação acrescentou que criou um centro específico para instrução das Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que chama de “polo de referência para a formação dos quadros e do desenvolvimento da doutrina”.
“A experiência do Exército nas últimas décadas em diversas situações de emprego nas operações GLO e em vários Estados da federação contribuiu para a melhoria das práticas e dos resultados nesse tipo de operação, a partir da compilação e disseminação das lições aprendidas em cada tipo de evento”, informou por nota. Oficialmente, o Exército classificou como “importantes missões” a recorrência de acionamento para ações nos Estados, “face às dificuldades enfrentadas na segurança pública”. A reportagem fez questionamentos à Aeronáutica e à Marinha, por meio do Ministério da Defesa, mas não obteve resposta. / COLABOROU CONSTANÇA REZENDE
Estadão/montedo.com

13 comentários:

Anônimo disse...

Como são importantes as FORÇAS ARMADAS para o povo, porem para seus representantes políticos nem tanto, vejam como o Congresso trata os militares das FFAA.
Sabemos que desde 2001 temos a MP 2215/2001 (MP do Mal),tramitando por lá sem a menor esperança de ser votada,motivo?Não sabemos.
As PECs 245/2008 e 249/2008, portanto quase nove anos se movimentando igual à musica de Martinho da Vila, devagar devagarinho.Ultima movimentação foi em (06/03/2015).
"Senado aprova(PEC) 50/2016, da vaquejada, em dois turnos. 14 de Fevereiro de 2017 às 17:39," vejam a diferença e rapidez e já vai para a Câmara.
Kd o Comandante Supremo das Forças Armadas que não vê isso?

Anônimo disse...

Eita Brasil calhambeque!! Só funciona aos trancos? Por que as PMs estão voltando a se rebelarem? Porque não ha planejamento de quem toma conta do dinheiro e da segurança. Não dão atenção merecida para as forças que fazem a segurança pública. Os governantes, deputados e vereadores, nunca esquecem de se darem aumentos salarias todos os anos e, principalmente, depois de eleitos. Quando a revolta explode, se escondem e os raros que aparecem, nada resolvem. É desgovernança geral. Só lembram em aumentar imposto, arrecadar mais e gastar mal. O caso do Rio, com seu ex-governador preso e suas consequências serve de exemplo. Quantos mais?

Anônimo disse...

Os Estados estão incapacitados para fornecerem segurança pública e, até, para combaterem um mosquitinho, um conserto de rodovia e outras ações que deveriam dar conta.Estão mal acostumados a dependerem das FFAA, e assim, vão economizando sem que isso traga aprendizagem para o futuro. Onde estão as centenas ou mihares de funcionários das secretarias especializadas que ganham salário para isso. Viraram "marajás"?

keko marques disse...

Quero ver o dia em que um cmt de Força dizer um grande e sonoro NÃO ...

Anônimo disse...

Eita, vamos nós, os "severinos", mal pagos, impedidos severamente de acumular o mínimo patrimônio devido à chamada dedicação integral e vivência nacional, a esposa não pode arrumar emprego, quando passa em um concurso público a família tem de se separar, fica um em um estado e outro no outro estado, pois as transferências vêm à revelia, os filhos sofrem de uma escola para outra, devido à diferenciação de um estado para outro, a saúde e as oportunidades vão embora (me refiro tb á saúde psicológica, pois é revoltante dedicar-se a uma instituição que quer uma vida franciscana à base dá pirâmide, e à casta, coquetéis, diárias e regalias). Sei que ninguém é obrigado a ficar, mas e a saúde, as oportunidades perdidas, as horas em que deixamos de passar com a família, alguém vai devolver-nos? Teremos uma contrapartida justa com as mudanças que apontam no horizonte próximo??? E aí Adj de Cmdo? Gen VB??? Alguém lê esse blog? Creio que sim, com certeza sim...A moral da tropa está em nível crítico, e não é a vitrine apresentada por meia dia de aduladores nas visitas oficiais entre uma lizonja e outra, entre um gole de whisky 18 anos e um canapé e outro. Acordem senhores que entoan discursos Alá "coração valente" nos palanques. Vossos vencimentos, como todo mundo sabem, já estão iguais às praças, de muitas PM, digo isso pq tem ST de PM ganhando como Cel do EB...O que mais falta?
Praça eficiente

Anônimo disse...

e ainda querem aumentar o tempo de serviço pra 35 anos!!!
aumentou a carga de missoes que nao sao nossas, o efetivo eh o mesmo ou menor que de anos atras e salario cada vez mais defasado....
e ainda querem aumentar pra 35 anos!!!

Anônimo disse...

Onde digo vencimentos iguais, leia-se "aquém", pois nossos vencimentos estão aquém dos vencimentos das praças quase dá totalidade das PM.

Anônimo disse...

A minha maior tristeza é que talvez quando chegar a minha hora de deixar essa existência irei sem ver um ESTADISTA, um HOMEM ou uma MULHER de fibra, honestos e que coloquem esse "projeto de país" nos eixos. Acho que até os últimos dias da minha existência vai ser sempre essa bagunça, essa baderna toda aí.

Triste país de selvagens!!

Anônimo disse...

O PM com Corola zero na garagem..ganhando seu arrego nas ruas e eu tristao cheio de emprestimos.NAO SEJA SARGENTO DO EXERCITO ! Faça qualquer coisa na vida , so nao seja MILITAR DAS FORCAA ARMADAS !!!

Anônimo disse...

Concordo em gênero, número é grau com o nobre colega "praça eficiente", em seu lúcido relato tirou as palavras de minha boca. Não acredito em mais nada nesta instituição, já fazem vinte e anos e nunca tive uma boa notícia nesta maldita carreira, carreira está que muitos acreditam ser um celibato. Quero sim a minha alforria deste sistema, é muita alienação de alguns, gritam selva, montanha, velame, uma das expressões mais inteligentes que já ouvi, um monte de faca na caveira e nada na carteira. Aí alguns irão dizer: - mas você não quer ser rico sendo militar. Realmente não só não quero, como nunca quis, entretanto, quero receber um salário digno, justo ao ponto de poder adquirir uma confortável casa para minha família, capaz de pagar uma boa escola para meu filho e em alguns momentos do ano poder viajar, ter um lazer de qualidade. Para os espertalhões que dizem que conquistaram tudo isso como praça, convido-os à vir morar em Porto Alegre, ou até mesmo em São Paulo, Rio de Janeiro...
Praça

Anônimo disse...

amigo, deixa o PM do seu corolla arcar com as consequências de seus atos seja nessa vida ou na outra! VAMOS LUTAR PELA NOSSA CLASSE ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS!
Bizu: a PM vai acabar, e quando acabar, ela será desarmada, do jeito que a ONU quer!

Anônimo disse...

Faz prova pra PM então !quero ver se vai ter disposição !!!

Anônimo disse...

Gente , pelo amor de Deus , quero que essa missão termine logo pra eu ir embora deste inferno chamado Rio de Janeiro ! O pior daqui não são as pessoas mal educadas , o calor infernal ou o traficante , mas sim esses policiais militares se achando os reis da cocada preta e nos tratando com ar de superioridade , mesmo eu estando de serviço fardado . Eita lugar desgraçado , não sei como é possível alguém viver aqui !
Suboficial Nunes

Arquivo do blog

Compartilhar no WhatsApp
Real Time Web Analytics